Copyright by: Ricardo C. Zímmerl' - Todos os direitos reservados.
A cópia de todo ou parte deste artigo só é permitida com a citação expressa do autor e fonte.
www.ITABRA.com

VACINA ANTIGRIPAL
Genocídio ou Prevenção?
[Escrito em 10/05/14]


      Cuidar da saúde atualmente é caro, e é caro por que medicamentos novos e supostamente melhores, mais eficazes são alardeados aos quatro cantos como verdadeiras panacéias, porém sem qualquer comprovação concreta, tudo em nome de lucros cada vez maiores da bilionária indústria farmecêutica internacional, o que nos leva a questionar, seriam tais medicamentos feitos para curar as doenças ou o interesse maior é nos manter cada vez mais dependentes de medicações para aumentar essa lucratividade toda?
      Seria a indústria honesta e ética ou seu maior interesse, de fato, é o lucro para os acionistas?
      Vejamos o caso da vacina antigripal. A gripe, per se é uma doença não letal causada pelo Vírus ARN da família Orthomyxoviridae (dos vírus influenza, Myxovirus influenzae). Àqueles por ela acometidos sofrem, por sua ação no metabolismo, uma baixa imunitária que, se a pessoa já estiver debilitada por outros motivos, pode levar ao surgimento ou agravamento de outras enfermidades, em especial a pneumonia, que é uma doença inflamatória no pulmão, causada por bactérias, vírus ou fungos. As mortes que são associadas historicamente à gripe, como no caso da Gripe Espanhola, que durou de 1918 a 1919, na realidade são causadas por essas outras doenças e não pela gripe em si, que é incapaz de matar.

H1N1 - Um mostro gerado pela indústria farmacêutica?

      O vírus da gripe sofre mutações de forma contínua, por conta disso novas variantes acabam se espalhando pelo mundo anualmente em pandemias, facilitadas pela aviação, meio de transporte rápido e continental. Daí decorre que mutações locais, as vezes bem diferentes, se espalhem simultaneamente ou em curtos períodos, por isso, não raro, há pessoas que têm gripe três ou mais vezes durante o ano, na realidade estão se infectando com variações geradas em locais diferentes do globo. Quando uma variação é grande isso "PODE" gerar uma reação nos infectados mais forte. O "pode" está sublinhado por que, na maioria das vezes, como recentemente na gripe aviária, as mutações fazem o vírus ter seu mecanismo de contágio prejudicado ou o torna mais fraco.
      Todavia as autoridades da OMS (Organização Mundial de Saúde) espalham alertas de seu monitoramento global visando "supostamente" previnir problemas maiores gerados por uma nova cepa particularmente virulenta dos Orthomyxoviridae.
      Pode ser excesso de zêlo, pode ser ponto de vista ou pode ser interesse de propaganda terrorista da indústria farmacêutica querendo fomentar o pânico para vender medicamentos e vacinas, o difícil é afirmar como verdadeiras quaisquer das alternativas por que, como disse, a gripe não mata. Ela nos debilita e isso pode agravar problemas de saúde ou dar margem à doenças oportunistas, incluindo a pneumonia. A população que mais sofre por essa contaminação são as crianças, idosos e gestantes e isso é verdade, e ocorre por seus corpos terem mecanismos de defesa mais frágeis e metabolismo sem margem para cargas adicionais geradas pelos processos infecciosos. No entanto inexistem estudos científicos que comprovem a eficácia dessa vacina para ajudar essas populações, principalmente por que ela é feita com poucas das variações antigas do vírus, variações estas que, provavelmente as pessoas estão imunizadas por contágio mesmo. Por exemplo, a OMS determinou que a vacina, para países do hemisfério sul, contivessem partes inativadas das seguintes cepas virais na "temporada 2014": A/California/7/2009 (H1N1), A/Texas/50/2012 (H3N2) e B/Massachusetts/2/2012, ou seja, variações virais surgidas em 2012 e até em 2009. Em outras palavras a vacina somente "chove no molhado" expondo o corpo a partes inativadas de vírus aos quais a pessoa já foi, provavelmente, exposta há tempos.

Os canais oficiais estão falando toda a verdade?

      Muitos sites que promovem a vacinação dizem que estudos indicam redução na mortalidade dos pacientes vacinados, que há uma alta eficácia, mas JAMAIS dizem quais foram esses supostos estudos ou quais as fontes que embasam essas informações propagandísticas, principalmente por que a verdade dos fatos é totalmente diferente.
Isso é tanto verdade que os laboratório produtores nas bulas das vacinas sempre dizem que elas foram feitas para "previnir a gripe" nunca afirmam que elas PREVINEM, uma sutil flexão que altera todo o significado, por que uma fechadura pode estar na porta para impedir a entrada de um ladrão, mas se ele entrar... Bom ela estava lá para isso, mas não se havia dito que ela IMPEDE a entrada. Mas se for dito que a fechadura IMPEDE a entrada do ladrão e ele entra, então a propaganda foi enganosa. Você pode processar o fabricante e requerer indenização. Percebeu a difereça?
Outra coisa relevante nas bulas é a proposital omissão de informações relativas às reações adversas. Por exemplo, na bula da vacina do laboratório Sanofi-Pasteur pode-se ler (fonte aqui comentários nossos estão em verde.):

5. QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE CAUSAR?

Reações
Como todo medicamento, a vacina influenza pode provocar eventos adversos, dos quais alguns podem exigir atendimento médico.
Durante os estudos clínicos ocorreram as seguintes reações adversas (relatadas em mais de 1 caso para 100 pessoas e menos de 1 caso para 10 pessoas): Dor de cabeça, suor, dor muscular (mialgia), dor nas juntas (artralgia), febre, mal-estar, tremor, fadiga.
Reações locais: vermelhidão (eritema), inchaço (edema), dor, manchas roxas (equimoses), enduração ao redor da área de injeção;

Por que não informar o valor exato? Se o índice de reações for de 89,9% dos pacientes inoculados será menos de 1 caso para 10 pessoas e maior que um para cem. A omissão do valor é proposital para não divulgar uma informação potencialmente prejudicial ao consumo da vacina. E a bula prossegue:

Estas reações tendem a desaparecer em aproximadamente um ou dois dias sem a necessidade de tratamento. Os seguintes eventos adversos também foram relatados por farmacovigilância durante a comercialização: Reações na pele que podem se espalhar pelo corpo incluindo coceiras (prurido, urticária) e rash. Dor localizada ao longo do nervo (nevralgia), diferença na percepção do toque, calor e frio (parestesia), convulsões febris e desordens neurológicas que podem resultar em pescoço enrijecido, confusão, dormência, dor e fraqueza nos membros, perda de equilíbrio, redução de reflexos, paralisia de parte ou todo o corpo (encefalomielite, neurite e síndrome de Guillain-Barré). Sem dizer se os casos de paralisia foram permanentes ou temporários, no entanto, como no parágrafo seguinte eles citam como temporários os quadros podemos deduzir que, nestes casos, eles foram permamentes! Diminuição temporária da quantidade de plaquetas, que estão envolvidas no processo de coagulação do sangue (trombocitopenia transitória) e inchaço temporário das glândulas no pescoço, axilas ou virilha (linfadenopatia transitória).
Reações alérgicas:
- levando ao atendimento médico de emergência por dificuldade em manter o fluxo de sangue suficiente nos diferentes órgãos (choque) em casos raros Quão raros foram os casos? 1%, 10%, 50%? Isso a bula não diz, no entanto avisa da ocorrência, por mais que os órgãos de saúde pública NÃO DIVULGUEM essa parte para a população, e às vezes até neguem, mentindo descaradamente!
- inchaço mais aparente na cabeça e pescoço, incluindo rosto, lábios, língua, garganta ou qualquer outra parte do corpo (angioedema) em casos muito raros.
Inflamação dos vasos sanguíneos (vasculite) que podem levar a erupções na pele e a envolvimento renal transitório em casos muito raros.
Procure imediatamente atendimento médico caso ocorra alguma das seguintes manifestações: dificuldade em respirar ou engolir; erupção na pele e coceira; vermelhidão na pele; inchaço nos olhos, na face ou na parte interna do nariz; cansaço ou fraqueza repentinos e muito intensos (hipotensão).

      E a bula também alerta sempre que gestantes só devem tomar a vacina sob recomendação médica! E é óbvio o porquê: ela é tóxica, pode gerar malformação de embrião e problemas neurológicos por conter tanto mercúrio metálico quanto formól! Isso mesmo, o terrível formaldeído que causou inúmeras mortes por estar presente em alisantes para cabelo está ali, na vacina. Se doses minúsculas absorvidas por via cutânea pelo couro cabeludo leva à morte o que podemos dizer de injetar 0,10 mg de formaldeído diretamente no corpo? Formaldeído que é comprovadamente cancerígeno! E, pior ainda, a vacina contém o conservante Timerosal, que contém mercúrio metálico, a própria ANVISA indica a quantidade, 25mcg por dose (fonte aqui), mas a vacina contra gripe é só uma das vacinas que contém o tóxico mercúrio, a tetravalente e a Tríplice Viral também contém.
Considerando que o mercúrio, metal pesado, tem efeito cumulativo no organismo, as sucessivas doses potencializam é o efeito tóxico deste.
Aliás, os sintomas de intoxicação por mercúrio são interessantes (fonte aqui):
"O paciente pode apresentar quadro respiratório passível de ser confundido com uma infecção das vias aéreas de curta duração, com tosse, dispnéia leve e chiadeira durando dois a três dias (...) Todos esses sinais e sintomas respiratórios podem ser acompanhados por náusea, vômitos, dor abdominal, diarréia, cefaléia, assim como de gosto metálico na boca.". Não se assemelham aos sintomas de quem toma a vacina? Muita gente que toma a vacina fica mal, quase como se tivesse gripe e os médicos e a Secretaria da Saúde sempre afirmam que não se trata de gripe! E, pelo visto, não estão mentindo não: Não se trata de gripe, se trata de intoxicação aguda por mercúrio!
      Talvez você se pergunte: se é sabido que o mercúrio é uma das substâncias mais tóxicas que se conhece e é um metal pesado que se acumula no organismo, principalmente no cérebro lesionando a memória, causanto alterações comportamentais e cognitivas, por que ele é usado em vacinas? Isso não é uma absurda insanidade?
      A resposta é: sim e não!
      A indústria usa o timerosal como conservante por que os frascos de vacina levam mais de uma dose, com este conservante se protege a vacina de contaminação por fungos e bactérias com a introdução sucessiva de agulhas para coletar as doses da vacina. Poderia se resolver isso se as vacinas viessem em ampolas individuais, como se faz, por exemplo, com o soro antiofídico, entretanto isso encareceria o processo para os laboratórios. É mais "conveniente" para eles produzir frascos com vacina suficiente para várias doses, só que, para que a vacina não se contamine precisam colocar o timerosal. Para a indústria faz sentido, eles querem é o lucro, o maior possível, para o consumidor, a vítima, é uma insanidade. ... Questão de ponto de vista.

Por que vacinar?

      A alegação de médicos e do governo para incentivar a vacinação é que ela protege a população como um todo, em especial os idosos, as crianças e gestantes das complicações de uma eventual gripe. Isso é o que é dito e repetido à exaustão, embora não se baseie em qualquer estudo científico, pelo contrário, as estatísticas mostram que a vacinação tem contribuído para um aumento expressivo no número de mortes de idosos, crianças, e até gestantes por pneumonia, atribuída como complicação por infecção de gripe, ou seja, na realidade dos fatos, a vacina ajuda a matar mais idosos e crianças, de modo a diminuir os custos dos sistemas de saúde. (fonte)
      Isso é bem visível neste gráfico de estatísticas oficiais de mortes por pneumonia atribuída à gripe antes e depois da cobertura vacinal nos EUA. Os índices de mortalidade vinham historicamente decrescendo até 1973, quando começou-se a vacinar e, graças à vacinação a taxa de mortalidade aumentou em mais de 30%, voltando aos níveis equivalentes ao início dos anos 60 e se mantendo praticamente constantes. Pode-se bem entender que, com melhores antibióticos, as complicações da gripe seriam facilmente resolvidas reduzindo praticamente a zero o índice de mortalidade não fosse o uso sistematizado dessa vacina do mal para eliminar todos aqueles que estejam com organismo mais debilitado, sejam idosos, crianças ou adultos com doenças graves.
      E essa doutrinação psicológica apoiada pela mídia impressiona: cansei de ver defensores da vacinação dizerem que depois que começaram a tomá-la não ficaram mais gripados ou que as consequências da gripe foram mais brandas, no entanto, tão logo surge um surtinho de gripe estão lá, "maus pra caramba", mas, sem dar o braço a torcer, dizem que é uma rinite, uma sinusite, uma alergia, quando bem sabemos que é a boa e velha gripe. Como diz o velho adágio "O pior cego é aquele que não quer ver". Podem morrer de pneumonia que vão defender cegamente aquilo que ouviram falar sem nem mesmo se perguntar se o que foi dito era verdade ou em quê se baseava!

O que fazer?

      É óbvio que todos nos preocupamos com a saúde, mas há quem se preocupe em como faturar com essa nossa preocupação, há quem lucre muito com ela, inclusive com nossa doença, por isso devemos estar atentos. Vacinas são coisas boas, recomendáveis? Os médicos insistem que sim. Há pesquisadores que dizem que não, pelo menos, algumas delas. Os médicos lucram com esse "negócio", os pesquisadores não, necessariamente. Em quem acreditar? Ademais quando ex-funcionários de laboratórios revelam as fraudes que essas empresas empregam para mostrar que essas vacinas são eficazes quando não são (fonte), ou quando tantas notícias surgem mostrando os malefícios e consequências para quem se sujeita à vacinação. Isso é ruim principalmente para quem trabalha sério e para as vacinas realmente eficazes, entretanto quando tantos interesses estão em jogo, comerciais, políticos e até militares, é difícil saber o que fazer, mas, de uma coisa sei: eu não me vacino contra a gripe, nem quando trabalhava em hospital, e trabalhei em PS lidando com contaminados de sindrome gripal frente a frente, e não ficava nem fico gripado enquanto meus colegas ficavam mal após a vacina e pegavam gripe do mesmo jeito, uns até diziam que a gripe passou a ficar pior depois que começaram a se vacinar, o que é de se esperar, realmente. Meu segredo para a imunidade é simples: suplementação de vitamina D, D mesmo e não C. D, a famosa vitamina do Sol, pois é formada na pele sob exposição solar, é importante em vários processos do organismo, inclusive imunitários. Desde que passei a suplementar minha alimentação com essa vitamina deixei de contrair gripe.

      Tenho dois filhos pequenos e o mercúrio presente na vacina pode causar danos irreversíveis no cérebro, incluindo haver a suspeita da vacinação de crianças contra a gripe ter gerado um aumento expressivo de casos de autismo, embora as autoridades neguem haver estudos científicos que comprovem isso, e realmente pode ser que não haja esses estudos, ao menos não encontrei nenhum, entretanto as evidências são altas, e as autoridades não negam o aumento dos casos de autismo após a introdução de vacinação antigripal, só negam haver estudos que comprovem a ligação entre uma coisa e outra! Porém há lógica na suspeita, por conta do mercúrio causar efetivamente essas lesões e isso ser comprovado em doses tão baixas quanto 30 mcg (uma dose da vacina contém 25 mcg)! Então não permito que meus filhos recebam essa vacina contra a gripe. Prefiro vê-los saudáveis à expô-los a contaminantes tão tóxicos quanto o mercúrio e o formaldeído só por que alguém na OMS, sabe-se lá por conta de que interesses, recomendou isso.

      E é sempre bom lembrar que a gripe existe a milênios, que epidemias existiam quando éramos pequenos e quando nossos pais e avós eram pequenos. A taxa de complicações que essas infecções causaram nas crianças jamais foram significativas, uns dias de "molho" e estávamos prontos para outra. As mortes atribuídas à gripe sempre se devem à Pneumonia, então a estatística devia dizer somente mortes por pneumonia, entretanto por alguma razão incompreensível atribuem as mortes à gripe mesmo sem qualquer comprovação laboratorial de contaminação pelo influenza (fonte). Seja como for, quem se sujeita a essa vacina prejudica o próprio organismo e favorece as complicações que podem levar a óbito e isso é fato comprovado tanto nas estatísticas dos serviços de saúde quanto nas pesquisas laboratoriais, pior é ver empresas praticamente obrigando seus funcionários a se vacinar quando o mercúrio da vacina prejudica a cognição e a memória de forma permanente, e o formaldeído pode causar lesões nos órgãos e câncer. Se trabalhas em uma empresa que obriga os funcionários a tomar essa vacina do mal, processe-a! Isso dá perfeitamente indenização por danos morais e materiais, para isso embase sua defesa nas fontes que postamos aqui. Não podemos sujeitar nossa saúde aos intere$$e$ mesquinhos de uma indústria farmacêutica criminosa.

Outras fontes interessantes:
Outra bula de vacina antigripal
Mercúrio e suas consequências para a saúde
Ação carcinogênica do uso do formaldeído e seus riscos à saúde.